blog desatualizado por tempo indeterminado; editora sem tempo para postar.

domingo, 3 de junho de 2012

Tron - Uma Odisséia Eletrônica

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Tron é um filme da Disney de 1982, conhecido por ter sido um dos primeiros filmes a usar a computação gráfica de forma tão ampla, revolucionando os efeitos especiais. 
É dirigido e escrito por Steven Lisberger, estrelado por Jeff Bridges como o protagonista, Kevin Flynn, um programador de software que é transportado para dentro do mundo de software, de um renomada empresa de computadores, onde ele interage com vários programas enquanto tenta sair dali. 


  • Desenvolvimento 
Desenvolvimento de Tron começou em 1976 quando Lisberger, um animador com seu próprio estúdio, ficou fascinado com o desenvolvimento do videogame ''Pong''.  Ele ficou tão encantado com videogames que queria fazer um filme que os incorporasse. 

 Junto com o produtor Donald Kushner , ele se mudou para Costa Oeste em 1977, e lá montou um estúdio de animação e começou a desenvolver Tron com a intenção de torná-lo um filme de animação. Lisberger decidiu incluir elementos de ação ao vivo com a animação gerada por computador.
Lisberger abordou várias empresas de informatica para financiar o projeto mais obteve pouco sucesso. No entanto, a Information International, foi receptiva. 
Steven Lisberger se reuniu com Richard Taylor, um representante da empresa, e eles começaram a falar sobre o uso de fotografia em live-action com o retro-iluminado feito de animação que pudesse interagir com a computação gráfica. 
Há esta altura, Steven já estava com o roteiro pronto e com o filme inteiramente feito em storyboards, e com alguns testes de animação computadorizada concluídas. 
Lisberger e seu sócio Kushner, mostraram os storyboards e amostras do filme feita em computador a Warner Bros, MGM e Columbia Pictures; Todas recusaram.

Em 1980, eles decidiram levar a ideia a Disney, que estava interessada em fazer filmes mais ousados na época.  No entanto, os executivos da Disney estava incertos sobre doar mais de 10 milhões a um produtor e diretor que estavam utilizando a técnica pela primeira vez, técnica esta, que raramente tinha sido explorada na época. O estúdio concordou em financiar o filme depois de verem um teste que envolvia um disco campeão, que era um protótipo dos que seriam usados no filme. Ele impressionou o executivos da Disney que concordaram em financiar o filme.
Com a entrada do estúdio, o roteiro foi re-escrito assim como os storyboards que foram re-feitos. 
Naquela época, a Disney raramente contratava pessoas de fora para fazerem filmes para eles, algo que Kushner e sua equipe descobriram pela recepção menos calorosa do departamento de animação, que segundo Kushner viam eles como ''germes de fora''.


  • Produção
Por causa da quantidade de efeitos especiais, a Walt Disney Pictures decidiu em 1981 que o filme Tron fosse todo filmado em 65 mm Super Panavision; Exceto pelas cenas em CGI que foram filmadas em VistaVision.
Três designers foram trazidos para criar a aparência do mundo da informatica. O renomado francês de historias em quadrinhos, Jean Giraud, foi o conjunto principal de figurinistas do filme. A maioria dos projetos  dos veículos foram criados pelo designer industrial, Syd Mead, do famoso Blade Runner. Peter Llyod, um artista de alta tecnologia comercial, projetou os ambientes. 
Para criar as sequencias de computação gráfica de Tron, a Disney chamou quatro grandes empresas de animação computadorizada da época: Information International, da California, MAGI da Elmsford, Nova York, Robert Abel and Associates of California e efeitos digitais da New York City. O trabalho não foi uma colaboração, resultando em estilos diferentes de cada empresa.

Tron foi o primeiro filme há fazer uso intensivo de qualquer animação de computador, sendo um marco na industria; Mas apenas de 15 há 20 minutos de CGI foram utilizados, em sua maioria, eram cenas que mostrava o terreno digital, tais como veículos, luz de ciclos, tanques e navios. O motivo é que na época não existia a tecnologia de misturar personagens reais com animação computadorizada.

A maioria das cenas, cenários, e efeitos visuais, foram criados usando técnicas mais tradicionais e um processo mais exclusivo conhecido como ''animation backlit''. Neste processo, cenas de ação no mundo da informatica  foram filmadas em preto e branco sobre um conjunto inteiramente preto, e depois impresso num filme Kodalith em formato grande de alto contraste, e em seguida, colorido com fotografia e técnicas rotoscopic para dar-lhes uma aparência tecnológica. 
O roteiro originalmente previa que os programas ''bons'' fossem de cores amarelas e os programas ''maus'', fossem de cores azuis. Durante a produção, esse esquema de cores foi alterado para azul sendo bem, e o vermelhos sendo os maus, porém, algumas cenas foram concebidas usando o esquema de cores original.
Mais de 569 pessoas estiveram envolvidas no trabalho de pós-produção. E o conhecido Sound Design do filme, foi atribuído a Frank Serafine de Star Trek - o filme, sendo indicado ao Oscar de Melhor Som no ano seguinte ao lançamento de Tron. 


  • Recepção
Com um orçamento de 17 milhões, Tron foi lançado em 9 de Julho de 1982, e arrecadou 4 milhões em sua estreia. No geral, o filme teve de lucro em bilheterias, os moderados 33 milhões nos Estados Unidos; Esse índice se deve a concorrência de E.T - O Extraterrestre de Steven Spielberg, que na época se tornou a maior bilheterias de todos os tempos. 
A reação do público foi de indiferença e impacto; Em geral, o público de 82, teve a mesma reação de nós que foi ver Avatar nos cinemas em 2009. A grandeza do mundo da informatica que não era conhecido assim do grande público causou grande impacto; A indiferença veio por que nos anos 80, poucas famílias tinham computadores em casa. Então apenas as pessoas que trabalhavam em empresas de computadores entendia o que era drives e software. 


O filme recebeu em geral críticas positivas, que elogiaram o visual e as atuações. As críticas negativas caíram em cima do roteiro. O grande crítico, Roger Ebert disse: "um filme deslumbrante de Walt Disney em que os computadores foram usados ​​para tornar-se romântico e glamouroso, e aqui está. Um show de som e luz tecnológico que é sensacional e inteligente, elegante e divertido. " Ele também observou que:  "Este é um filme quase totalmente tecnológico. Embora seja povoado por atores que estão envolvidos (Bridges, Cindy Morgan) ou sinistros (Warner), não é realmente um filme sobre a natureza humana. Como [os dois últimos Star Wars filmes], mas muito mais, este filme é uma máquina para deslumbrar e deliciar-nos. "
Dividindo em dois as opiniões dos críticos, Tron recebeu resenhas negativas do The New York Times, Washington Post e Jay Scott do Golden and Mail que disse: ''Ele tem força e tem maravilhas, mas é sem coração, é uma realização visionário tecnológica sem visão''. 
O consenso final dos críticos ficou assim, segundo o Rotten Tomatoes: ''Embora talvez não tão forte dramaticamente como é tecnologicamente, Tron é uma obra original e visualmente impressionante de ficção científica que representa um marco na história da animação por computador.''


Mesmo com os revolucionários efeitos especiais, Tron não foi indicado ao Oscar de Melhores Efeitos Visuais, por que, segundo Steven Lisberger, ''A Academia se sentiu enganada pelos computadores''. O filme chegou a ser indicado a Melhor Figurino e Melhor Som. E em 1997, Ken Perlin ganhou o Oscar de Realização Técnica por Tron. 

Tron mudou o jeito de se fazer filmes de ficção cientifica, e como disse John Lasseter, diretor de criações da Pixar: ''Não existiria Toy Story sem Tron''
Com o tempo, Tron se tornou um filme cult, e eventualmente, ganhou videogames, historias em quadrinhos e uma série animada. Ganhou uma continuação em 2010, intitulada ''Tron: O Legado''. 






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 comentários:

  1. Caramba, Bia, que legal! Nem imagina que este filme (que eu conhecia só pelo remake) era da década de 80! vou procurar assisti-lo, já que me disseram que a refilmagem não é muito boa.

    Bia, aquele post dos ataques canibais foi só o bônus da semana, já tem post novo lá no blog! Bjs :*

    http://monteolimpoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Bia! Eu não sabia que esse filme era da década de 80. A propósito, eu li sobre ele há alguns dias, mas pensei que fosse uma produção recente; que interessante! Vou procurar pra assistir o quanto antes.

    ResponderExcluir